quinta-feira, março 8

China planeja parque nacional para pandas de 2,7 milhões de hectares

A China criará um parque nacional de 2,7 milhões de hectares para ursos pandas, com o objetivo de estimular a reprodução da população selvagem deste mamífero.

Um crédito de pelo menos 10 bilhões de yuanes (1,6 bilhão de dólares) para os próximos cinco anos foi anunciado para a criação do parque em uma região montanhosa do sudoeste da China, informa o jornal estatal China Dialy.
O plano do parque foi anunciado no início do ano pelo Partido Comunista e o Conselho de Estado, indicou o jornal.

O objetivo é fazer com que os pandas que estão na natureza em diferentes regiões isoladas das províncias de Sichuan, Shaanxi e Gansu se misturem e reproduzam.
O processo de reprodução dos pandas gigantes é muito lento, o que contribui, ao lado da redução do habitat, a para sua classificação como "vulneráveis" na lista vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

Mais de 80% dos pandas que vivem na natureza se encontram em Sichuan.
Os créditos foram garantidos após a assinatura de um acordo entre o Banco da China e o departamento de florestas da província de Sichuan, segundo o China Daily.

fonte: site AFP

sábado, janeiro 13

China constrói autoestrada de painéis solares

Com objetivos cada vez mais ousados, a China continua os seus investimentos em energia limpa. Dessa vez, a capital da província de Shandong, Jinan, construiu uma autoestrada feita com painéis solares


A construção tem uma extensão de dois quilômetros, com uma área total de 5.875 metros quadrados, e é composta por três camadas: betão transparente em cima, painéis fotovoltaicos no meio e isolamento em baixo.
A estrada chinesa tem duas vias destinadas à circulação normal e uma para emergências, tendo sido desenhada para transportes públicos e para veículos elétricos.
Com mais de cinco mil metros quadrados de painéis solares, a estrada tem o potencial de gerar um milhão de kWH por ano, o suficiente para satisfazer as necessidades domésticas de 800 casas.

Além de alimentar a iluminação das ruas, a eletricidade produzida pela estrada também servirá para o sistema de derretimento de neve e para os postos de carga dos carros elétricos. Mas, embora seja um projeto empreendedor, é também um projeto ambicioso.
Cada metro quadrado desta autoestrada tem um custo de 458 dólares, cerca de 377 euros, o que torna esta autoestrada um projeto dispendioso.
Embora possa parecer uma via frágil, Zhang Hongchao, um dos responsáveis do projeto e especialista em Engenharia de Transporte da Universidade de Tongji, afirma que esta autoestrada aguenta dez vezes mais pressão do que o asfalto normal.

fonte NeoMondo

quarta-feira, agosto 23

Brasileiros ficam em 1º lugar em Olimpíada Internacional de Matemática

Com quatro medalhas conquistadas, o Brasil ficou em primeiro lugar na 7ª Olimpíada de Matemática da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A disputa aconteceu de 23 a 30 de julho de 2017, na cidade de Porto, em Portugal.
As condecorações foram ganhadas por quatro jovens: Pedro Gomes Cabral, de Pernambuco, e Gabriel Ribeiro Paiva, do Ceará, que receberam a medalha de ouro; e André Hiroshi Koga, de São Paulo, e Eduardo Quirino de Oliveira, do Distrito Federal, levaram a de prata. 

A equipe viajou com tutores e, já em Portugal, passou por dois dias de provas. Cada avaliação tinha três problemas matemáticos, e o tempo destinado à resolução era de quatro horas e meia.

"Os problemas são bem diferentes dos que os que se encontram no ensino normal", diz Pedro Gomes, de 15 anos, que está cursando o primeiro ano colegial, em entrevista à GALILEU. "É necessário explicar cada detalhe da sua solução e a dificuldade é muito alta."



Já para Gabriel Paiva, de 14 anos, estudante do 9º ano no ensino fundamental, a preparação foi a parte mais difícil. "Estudei muito e assisti a várias aulas ministradas", conta. "Depois disso, comecei a treinar de forma intensiva para estar mais bem preparado para realizar a prova." 

Todo esfoço foi recompensando. Além da medalha, o feito será importante para o futuro profissional dos garotos. "Foi uma experiência diferente e boa, pois ganhei novas amizades, aprendi sobre algumas culturas diferentes e ganhei mais experiência com olimpíadas internacionais", declara Paiva. 

Olimpíada
A competição reuniu jovens de diversos países de língua portuguesa: Angola, Brasil Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

O Brasil participa da CPLP desde o ínicio, e já sediou o torneio em 2012 e 2016. Com a vitória deste ano, o país agora possui, no total, 11 medalhas de ouro, 16 pratas e uma de bronze. 

segunda-feira, junho 5

Descoberto sapo transparente na Amazônia

Se existe um animal que não é lá muito bom em disfarçar ansiedade, este é a rãzinha Hyalinobatrachium yaku. Seu coração pode ser visto batendo acelerado por debaixo da pele, graças a uma camada incrivelmente transparente na região do peito. A variedade integra o gênero dos glassfrogs, apelido que os cientistas deram para os sapos de pele tão clara quanto o vidro.
Apesar de ter vários parentes com essa mesma habilidade de transparência, cientistas acreditam que a espécie seja única por uma série de motivos. E o primeiro está exatamente no coração. No caso da Hyalinobatrachium yaku, o órgão pode ser visto sob a pele com sua cor verdadeira, um vermelho vivo. Isso não acontece em outras variedades de glassfrogs, em que todos os órgãos – o coração, incluso – aparentam ter a cor branca. Também entram na lista de peculiaridades os pontos em verde escuro que a espécie possui no corpo todo, sobretudo nas costas.
Mas o mais interessante mesmo são seus comportamentos reprodutivos incomuns – quem realiza a guarda dos ovos são os machos, por exemplo. O local onde os proto-filhotes são estocados antes de ganharem o mundo também não é nada usual: a parte de baixo das folhas das árvores. Quando estiverem prontos para eclodir, os ovos se descolam e caem na água, onde as crias estão livres para completar seu desenvolvimento.
A espécie foi descrita pela primeira vez há algumas semanas, em um estudo divulgado no periódico Zookeys. Ela pode ser encontrada saltitante em cima das árvores na Amazônia equatoriana – lá, pelo menos, foi o lugar onde apareceu pela primeira vez.
Mas manter esse habitat latino-americano pode ser considerado um problema para a sobrevivência da espécie, de acordo com os pesquisadores. Essa região amazônica é marcada pela extração de petróleo e desmatamento, atividades que podem destruir por completo o local onde os sapos são encontrados – ou pelo menos comprometer gravemente a interação entre populações.
“Esperamos que descobertas como a desse sapinho possam nos ajudar no alerta de que há muita coisa para ser perdida com a extração continuada de combustíveis fósseis, além daquilo que já sabemos sobre as mudanças climáticas”, disse Paul Hamilton, um dos autores do estudo, à revista New Scientist.

fonte: Site Revista Superinteressante

quinta-feira, abril 27

300 aplicativos educacionais abertos para usar em sala de aula

Para inovar no processo de ensino-aprendizagem, projeto nascido na UFRGS reúne softwares para Android que podem ser usados e modificados livremente

Já imaginou se uma tabela reunisse vários aplicativos livres para celulares e tablets do sistema Android? E se essa tabela também apresentasse indicações de quais disciplinas poderiam usar o recurso? Melhor ainda, não é? Pois agora isso existe, graças ao projeto “Software Educacional livre para Dispositivos Móveis”.
Elaborada pelo professor Paulo Francisco Slomp e pelo estudante André Ferreira Machado, ambos da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), a tabela reúne 305 aplicativos, que podem ser usados como complemento para o processo de ensino-aprendizagem. Desses, 78 servem para a educação infantil, 154 para os anos iniciais do ensino fundamental, 173 para os anos finais do ensino fundamental, 181 para o Ensino Médio e 203 para o Ensino Superior.
Para quem não sabe, o nome software livre significa, no caso da tabela, que o aplicativo é um REA (Recurso Educacional Aberto). A sigla, por sua vez, é usada para designar um material educativo licenciado de forma pública, permitindo que qualquer pessoa interessada use ou adapte o conteúdo da forma como preferir.

A tabela está disponível em português, e também conta com versões em inglês, espanhol, francês e italiano.

fonte: Site Porvir



domingo, janeiro 8

Suecos criam máquina solar capaz de purificar 600 litros de água/hora

O desejo de encontrar soluções sustentáveis para o problema da falta de água potável – que chega a assolar um bilhão de pessoas neste planeta – é o que move o casal de empreendedores suecos Annika Johansson e Greger Nilsson. Juntos, eles criaram o kit de purificação de água Greenwater, que conta com uma combinação de tecnologias: luz ultravioleta (UV) e energia solar.

O sistema de purificação da Greenwater elimina da água as bactérias patogênicas, vírus, amebas e parasitas, inclusive bactérias resistentes ao cloro, de maneira sustentável. O sistema tem capacidade para filtrar 600 litros por hora, o que equivale a um consumo diário, em média, de 80 pessoas.
Carregado por energia solar, o kit dispensa o uso da eletricidade vinda da rede, facilitando sua aplicação em regiões com pouca infraestrutura, sem acesso à energia elétrica. Além disso, o equipamento é portátil, tornando o transporte muito mais simples.
“As soluções da Greenwater podem ser aplicadas em diversos contextos: de situações críticas, como catástrofes, em que a infraestrutura de uma região é devastada, não restando qualquer possibilidade de acesso à água potável, passando por países ou comunidades carentes de um sistema de água e esgoto, até empresas que estejam em busca de soluções sustentáveis e inovadoras para o tratamento, seja para a entrada (input) ou para a saída (output), da água”, explica Greger Nilsson, responsável pela área de desenvolvimento.

Primeiros testes
Em abril, a equipe da Greenwater fez os primeiros testes de campo em Ruanda, na África, com sucesso. Agora, a empresa finaliza algumas adaptações do Kit para torná-lo ainda mais eficiente para o tipo de água daquela região. O país africano deve receber 25 unidades do equipamento, que serão instaladas em escolas, hospitais, centros comunitários, entre outros.
No Brasil
O Brasil também está no cronograma de testes da companhia. O objetivo é atingir dois grupos: um deles é formado por comunidades carentes, como favelas, e populações que vivem em regiões afastadas dos centros urbanos, muitas vezes sem acesso a saneamento e água potável. O outro grupo é formado pelos setores da construção civil, principalmente nos novos projetos de condomínios e casas autossustentáveis, e pela agricultura de diversos portes.
“Nossa meta é, antes de mais nada, entender as necessidades específicas de cada comunidade, e então oferecer a solução mais adequada, num diálogo sustentável”, explica Telma Gomes,  gestora internacional do projeto. “Trabalhamos alinhados à meta número seis dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável, compilados pela ONU, que é assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos até 2030.”
Fonte: Site Ciclo Vivo

segunda-feira, novembro 28

Jardins verticais são instalados em quatro prédios no Minhocão, em SP

Paredes verdes assinadas por jovens artistas e um projeto de reocupação da marquise prometem transformar o Elevado Presidente Costa e Silva no primeiro "corredor verde" do mundo .


Antes do concreto havia o verde (e também outros elementos naturais, rios que foram soterrados etc., mas este é assunto para outra hora). Há décadas a cor estava suprimida no cenário cinza que acompanha o polêmico Elevado Presidente Costa e Silva, o Minhocão, na região central de São Paulo. Até que, no último ano, a realidade começou a mudar, graças a uma série de jardins verticais.

Adotadas como iniciativa de transformação socioambiental em áreas urbanas, as paredes verdes, ali, são de autoria do Movimento 90°, grupo liderado pelo arquiteto e paisagista Guil Blanche, que, desde 2013, se dedica a fazer do Minhocão o primeiro “corredor verde” do mundo. Para desenhar os painéis que ocupam as empenas cegas dos prédios ao redor do viaduto, Blanche convidou artistas como Pedro Wirz, Daniel Steegmann Mangrané e Renata De Bonis. 

A cobertura vegetal composta por espécies de plantas da mata atlântica começou a ser montada em dezembro. O projeto desta segunda instalação é do artista Daniel Mangranè e faz parte de uma proposta para implantar um "corredor verde" no Minhocão, com o plantio de 8 mil metros quadrados de jardins verticais para melhorar a qualidade ambiental da região. 


Manutenção

A irrigação automática passa por todas as plantas. O que sobra é captado por canaletas e retorna ao armazenamento para ser bombeado de volta para nova irrigação.

Para quem tem medo que o jardim vertical possa provocar infiltração nas paredes, os responsáveis pela implantação afirmam que isso não acontece.

A manutenção é paga pela incorporadora durante os seis primeiros meses, depois correrá por conta da prefeitura. A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente recebe os
pedidos de prédios que querem ficar verdes e que não precisam pagar por isso. As cartas de intenção devem ser entregues na Secretaria, na Rua do Paraíso, 387/389 - térreo, das 9h às 16h.
fonte: Portal G1

México transforma colunas de viadutos em jardins verticais

A Cidade do México inaugurou recentemente uma intervenção urbana enorme. São 60 mil metros quadrados de jardins espalhados sob um viaduto que corta 27 quilômetros da cidade. As pilastras deixaram o cinza do concreto para trás e ganharam diferentes tons de verde.
O projeto é financiado por investimento privado e desenvolvido pela empresa VerdeVertical, especializada em transformar paredes e fachadas em jardins gigantes. De acordo com a apresentação do projeto, a inclusão das plantas em ambiente urbana ajudará a filtrar mais de 27 mil toneladas de gases e processará dez toneladas de metais pesados.
A ideia é muito simples e não ocasionou nenhuma mudança estrutural nas vias já existentes. A instalação conta com armaduras metálicas cheias de anéis colocadas em volta da pilastra. Após fixada, a estrutura recebe painéis pré-fabricados, que incluem um substrato têxtil hidropônico, sobre o qual é colocado o material vegetal e também os espaços publicitários.
As paredes possuem um sistema automatizado de rega, que é controlado remotamente por GPS. A água usada no abastecimento é reaproveitada, sendo colhida da chuva e as espécies usadas são altamente resistentes e adequadas às condições do seu entorno.
Todo o projeto é mantido por investimento privado e ainda proporciona o uso de espaços publicitários em meio aos cultivos, como forma de atrair anunciantes e gerar verbas extras.

fonte: site Tetrapak

sexta-feira, novembro 25

Adidas lança tênis feito com plástico retirado do oceano

Com design inspirado nas ondas do mar, o 'Ultra Boost Uncaged Parley' traz uma malha feita da mistura de 'Ocean Plastic' e poliéster reciclado

Em parceira com a ‘Parley for the Oceans’, a Adidas acaba de lançar o novo modelo do ‘Ultra Boost’, famoso tênis de performance da marca, feito com plástico retirado do oceano. As camisas de futebol dos clubes ‘Bayern de Munique’ e ‘Real Madrid’ também trazem o material na composição.

Com design inspirado nas ondas do mar, o ‘Ultra Boost Uncaged Parley’ traz uma malha feita da mistura de ‘Ocean Plastic’ (95%) e poliéster reciclado (5%).

Os cadarços, a base, o suporte do calcanhar e o forro também foram feitos de materiais reaproveitados. A Adidas produziu sete mil pares do modelo, que começa a ser vendido na próxima semana nos EUA e já está com lista de espera.

“Nós não vamos parar aqui. Faremos um milhão de tênis usando a Parley Ocean Plastic em 2017 – nossa principal ambição é eliminar plástico virgem da cadeia de suprimentos” conta Eric Liedtke, membro do conselho executivo do adidas Group responsável por Global Brands.

O tênis não tem previsão de chegada ao Brasil.

fonte: site Exame.com

quinta-feira, novembro 24

Projeto realiza ações de mobilização pelo Parque dos Manguezais, em Recife

O projeto Tod@s pelo Parque dos Manguezais iniciou em agosto suas atividades. A iniciativa contempla ações de mobilização, engajamento e construção de entendimentos sobre o Parque dos Manguezais, em Recife (PE); diagnóstico participativo da comunidade pesqueira local; discussão sobre o conflito socioambiental do cultivo de camarão na localidade e possíveis alternativas; e capacitação e sensibilização da comunidade escolar e lideranças para a conservação dos manguezais. O Parque é uma Unidade de Conservação municipal, voltada à conservação ambiental de forma inclusiva, de maneira a reconhecer a realidade socioambiental local.
Em seu primeiro trimestre, o projeto já deu passos importantes, como o lançamento oficial, ações de identificação e mobilização da comunidade,  reuniões com organizações e órgãos estratégicos e encontros de acompanhamento do projeto.
Também ocorreu a roda de conversa que inicia a pesquisa com a comunidade pesqueira local, visitas para início das ações de educação ambiental e capacitação junto à comunidade escolar, produção da logomarca e materiais de divulgação do projeto, entre outras atividades.
lancamento
Fotos do lançamento do projeto Tod@s pelo Parque dos Manguezais.

Realizador, parceiros e apoiadores
O projeto Tod@s pelo Parque dos Manguezais é realizado pelo Instituto Bioma Brasil, com apoio da Fundação SOS Mata Atlântica e a parceria da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Recife, da Caranguejo Uçá, da Poupança Comunitária e do Laboratório ARREÁgua/UFPE.
A iniciativa foi contemplada no “Edital de Apoio a Projetos para Unidades de Conservação Municipais Públicas e Privadas da Mata Atlântica e Ambientes Marinhos e Costeiros” de 2016, e como os demais projetos em benefício de áreas marinha e costeiras do edital, recebe recursos da Repsol Sinopec Brasil (saiba mais).
Para informações adicionais sobre o projeto, contate a coordenadora Maíra Braga: mairabbraga@gmail.com.
Fonte: site SOS Mata Atlântica